1º IRONMAN 70.3 MIAMI – 2014

1º IRONMAN 70.3 MIAMI – 2014

Porque o primeiro Ironman, a gente nunca esquece…

Conforme já registrei na Minha História, a minha identificação com o esporte existe há muito, muito tempo. Porém, embora já no Brasil eu seguisse investindo principalmente em treinos pesados, não sabia o que era um “Ironman”, de modo que uma competição como essa ainda não fazia parte dos meus planos.

Foi por volta de 2012, por ocasião de uma viagem à Itália, que vim a ter conhecimento sobre o que, afinal, era “Ironman”. Na época, encontrei um primo a quem tenho como irmão – e que foi quem me influenciou no meu enorme interesse pelo mundo esportivo –, e ele tinha se tornado um adepto do triathlon. Então, quando esse meu primo me falou sobre essa modalidade, brincou comigo dizendo que não era algo para mim, que eu já estava “velho” para fazer isso (temos quase a mesma idade) e que os meus músculos não serviam para nada. Eu estava com 49 anos, com medo da proximidade dos 50 e, mesmo sabendo que aquela provocação era uma brincadeira, eu a encarei como um desafio: “Ah, é? O meu primo estava dizendo que eu não podia?… Então, ele ainda veria do que eu era capaz!…”.

Como eu mesmo admiti na publicação em Minha História, o início da minha preparação para participar de um evento dessa natureza foi “dramático”, não obstante a minha determinação. Com cinco quilômetros de corrida, eu já me sentia “morto”! No entanto, a minha inscrição já estava confirmada, com data e local definidos: o grande dia de colocar a minha resistência à prova era 26 de outubro de 2014, no Ironman 70.3 em Miami.

Então, era aguardar para ver!

Meu primeiro Ironman: para cada modalidade, uma superação

• 1,9 km de natação em 1h29min

O Ironman 70.3 é assim denominado devido às 70.3 milhas a serem completadas pelos competidores na seguinte ordem: natação, ciclismo e corrida. Mais especificamente, são 1,9 km de natação, 90 km de bike e 21,1 km de corrida – números mais que consideráveis para quem nunca havia passado por essa experiência, não é mesmo?

O megaevento em Miami contou com 3.100 competidores do mundo todo.  Às sete horas do dia 26 de outubro, todos os atletas estavam concentrados no mesmo local, seguindo a disciplina e as orientações de uma organização simplesmente impecável!

O total de inscritos foi dividido em 25 “ondas”, isto é, em grupos separados de acordo com o gênero (masculino/feminino) e a faixa etária. Um funcionário do Ironman posicionava-se à frente de cada “onda”, segurando uma enorme placa com o número daquele agrupamento e da sua respectiva categoria. Cada turma caminhava devagar até a água, nadava até a primeira borda e aguardava, até ouvir o tiro para o início oficial da primeira prova.

No meu caso, eu integrava a “onda” 13, composta por 320 pessoas. O nosso “start” na água estava programado para as 8h11min, e foi justamente aí que precisei enfrentar o meu primeiro grande desafio: nadar em meio a tanta gente “disputando” o mesmo espaço por todos os lados – o que comprometia a regularidade da minha velocidade e da minha respiração, ainda mais por se tratar de algo completamente novo para mim!

 Além disso, dentro do BayFront Park, na Baía de Biscayne (região central de Miami), na direção em que todos nadavam, havia uma ponte pela qual entrava água do mar. Não bastasse conter algas e águas-vivas, a correnteza da água vinda de fora era muito forte, e seguia no sentido contrário ao nosso!

Para se ter uma ideia do nível de dificuldade para a conclusão dessa etapa, dos 3.100 competidores, 950 (isto é, mais de 30%) desistiram ao longo de todo o percurso, sendo que uma parte significativa dessa desistência ocorreu durante a natação!

Bem, avistando a primeira boia que sinalizava a primeira virada, optei por me afastar dos demais participantes e realizar a volta externamente ao grupo – o que, na prática, fez com que eu nadasse aproximadamente 3 km, e não 2.

Assim, apesar de eu calcular 40 minutos para essa distância nos meus treinamentos, os imprevistos com que me deparei me levaram a completá-la em 1h29min.

Sempre atento ao relógio, eu seguia controlando o tempo, sabendo que não poderia exceder duas horas para a conclusão dessa prova.

• Bike: 90 km em 3 horas (uma das melhores colocações na categoria)

Até então, a minha intenção era completar a prova de bike em 3h30min, com um pouco mais de tranquilidade e preservando um pouco mais as pernas para a corrida, que estimava concluir em 2h45min. Entretanto, toda essa programação foi alterada a partir da natação, de modo que precisei intensificar ainda mais as próximas atividades.

Nos primeiros 45 km de subida, outro grande desafio foi enfrentar o vento contrário, de 30 km/h. No Ironman, um atleta não pode pedalar atrás do outro para se proteger da ventania. Então, já na descida, “puxei no pedal”, e foi dessa maneira que o meu tempo de percurso ficou entre as melhores colocações da minha categoria.

 
• Corrida: 21 km em 2h27min

Eram 12h40min quando troquei de tênis, coloquei o meu boné, óculos, e iniciei a corrida sob um sol de 36 graus e uma sensação térmica ainda maior.

As minhas pernas já estavam muito doloridas, e calculei que poderia diminuir um pouco da minha velocidade (entre 10,5 a 11 km/h, normalmente). Ao perceber que tinha ido um pouco mais rápido e depois de percorrer aproximadamente 7,5 km, finalmente parei para ir ao banheiro. Finda esta pausa de 3 a 4 minutos, retomei a corrida imediatamente.

Assim como na natação, a corrida foi outra etapa em que houve um número muito expressivo de desistências! Depois de 15 km, eu mesmo precisei equilibrar o meu ritmo e as cãibras, que eram muito fortes… Apesar de todos os contratempos, o fato é que consegui ir até o final! E, a 200 metros da chegada, sendo o tempo todo monitorado por um GPS, eu já ouvia, com emoção: “Da Itália, Alessandro…”.

Foi um momento único!

A grande lição do meu primeiro Ironman

Ter realizado o Ironman 70.3 foi uma experiência e tanto!

Na realidade, não se trata de uma competição em que, ao chegar ao final, o vencedor ganha um prêmio em dinheiro, uma viagem para outro país ou um carro.  Na prática, o que você ganha é só um título, um reconhecimento que você alcançou. Contudo, é um título que muda a nossa percepção sobre nós mesmos. Por isso é que, para mim, essa oportunidade foi também uma lição de vida, que deixou muito claro que a limitação do ser humano não está no corpo: quem está no comando de tudo é a mente!

Durante todo o percurso, vi muitos acidentes. Os competidores ficavam caídos e eram socorridos pelas ambulâncias, muitas situações de emergência ocorriam na água, outras eram na bike, e muitas pessoas travavam ao longo da corrida, sem qualquer condição de continuar.

Esportista desde cedo, eu sabia que estava bem treinado, que havia me preparado intensamente ao longo de um ano inteiro e que, portanto, não tinha razões para não realizar todo o percurso em menos de 8 horas (tempo máximo para que o participante obtenha a certificação). Mas, em meio aos desafios que colocavam à prova os limites da minha resistência, o meu físico me pedia para parar. E era nesses instantes que eu dizia para mim mesmo: “Não! Eu tenho que chegar! Eu quero chegar!” – e cheguei. Por isso defendo que, se você realmente quer fazer uma coisa, você encontra os meios para fazê-la.

Tanto é verdade que, no primeiro certificado de Ironman que conquistei após completá-lo em apenas sete horas, li o seguinte registro logo abaixo do meu nome: “anything is possible!”. Em bom português, isso significa que “qualquer coisa é possível”, e é exatamente nisso que acredito.

E você?

Deixe uma resposta

Fechar Menu